32 – Noah

9 de December, 2013 em Noah by Bianca de Neve

Se você continuar lendo esse texto após a foto abaixo, tenho certeza de que vai achar o esmalte sem graça. Pelo menos a maioria vai dizer que “no vidrinho engana” ou coisas do tipo.

Noah

Esse frasquinho pequeninho foi presente da cunhada, da época em que ela morava no Japão. Tenho o Noah há uns bons anos, acho que uns 3. Três anos protelando o uso do coitadinho, três anos dando falsas esperanças a cada vez que a gaveta era aberta e eu pegava ele na mão para admirar.

Eu sei que sou cheia das histórias e enrolações quanto ao uso dos meus esmaltes (ainda mais os lindinhos), mas é porque para usar o Noah eu precisava estar na vibe de um esmalte preto com emoção.

Preto com emoção é uma expressão que eu aprendi com a Vic Ceridono, no vídeo que ela fala sobre os esmaltes dela. E não é exatamente isso que define aqueles esmaltes que têm cor, mas no fim parecem pretos? Preto com emoção. Adorei, agora só falo nisso, só quero usar eles.

NOAH2

O que tem de roxo nas laterais do frasquinho, falta na fórmula, hahaha. E não foi nenhuma surpresa ele ser tão mais escuro nas unhas do que no frasquinho. Só de olhar a fórmula no pincel eu já notei que seria desse jeito mesmo, por isso também acabava sempre deixando pra usar depois.

A primeira camada do Noah é bem rala, meio chatinha de aplicar, a fórmula arrasta a cada pincelada. Dá pra finalizar com a segunda, mas tomando cuidado pra não arrastar e cagar toda a esmaltação.

Ruim mesmo foi o esmalte ter ficado sem brilho e ter levado anos pra secar. Aliás, nem sei se chegou a secar completamente, porque quando ele adquiriu a aparência de Chokito sem nem ter brilho já fui passando o Seche Vite e tudo se resolveu.

NOAH3Foto horrorosa antes de remover o esmalte já desgastado.

Os brilhinhos roxos só aparecem sob alguma luz MUITO forte, o que é triste se você espera mais cor. Mas para mim estava perfeito, era bem o que queria e ainda consegui me ~livrar da culpa por ter demorado tanto a usar o Noahzinho.

Ruim é saber que nunca mais vou encontrar essa marca, já que sequer encontrei informações dela na internet, parece que ela simplesmente não existe. E o rótulo está todo em japonês então o esmalte vai continuar tendo essa aura de mistério pra sempre.

Já que o Noah não tem outros de sua espécie para socializar, ao menos poderá ostentar o selo de “fui escolhido”. Dessa forma poderá tentar se enturmar com os outros esmaltes já usados. Já que todo mundo sabe que a ~experiência de vida~ de um esmalte faz com que ele perca preconceitos e aceite qualquer marca, cor ou tamanho no seu círculo de amizades.