3 em 1

23 de April, 2018 em Colorama, Impala, quem disse berenice? by Bianca de Neve

Houve um mês que decidi usar apenas esmaltes nacionais. E foi bem numa época em que estava fora de casa, o que serviu de desculpa para comprar esmaltes, ahahah.

Infelizmente eu não encontrei cores tããão legais assim e nem marcas diferentes, então o tiro saiu pela culatra, ahaha. Pra coroar, estava sem a minha câmera e só pude registrar esses esmaltes com a câmera do celular. Mesmo assim achei que valia a pena dar minhas impressões sobre as cores por aqui – que são básicas – e, principalmente, falar sobre a hidratação nas cutículas.

QUEMDISSEBERENICE-lili

Reparem logo de cara no estado dessas cutículas.

Já fazia uns 10 dias que eu havia pintado as unhas com a cor anterior e hidratado pela última vez. Pouco mais de uma semana sem dar atenção pras bonitas e é assim que elas me agradecem, mesmo com todo aquele cuidado extremo que eu tenho na maior parte do tempo. Pois é, relacionamentos exigem manutenção e dedicação, especialmente se for um creminho cheiroso nas cutículas, ahaha.

A cor é o Lili da quem disse, berenice? e, se não me engano, tem duas camadas dela aí. Lilás muito desbotadinho pro meu gosto, prefiro os de fundo mais azuladinho.

COLORAMA-tche

Três dias e algumas sessões de hidratação depois, eis o segundo esmalte.

O Tchê é um preto não cremoso, apesar de não dar pra notar nada de muito diferente na unha, supostamente ele é cintilante, mas com muuuito esforço sob uma iluminação muuuuito forte você consegue ver alguma coisa. Duas camadas. O acabamento tosco é culpa minha, a fórmula não estava tão fluida, mas secou rápido e não deixou marcas de cerdas, então ok.

Eu não preciso de esmaltes pretos, óbvio, mas ele se chamava Tchê e eu sou gaúcha (meio fajuta, mas sou), então…

IMPALA-euconfesso

Eu Confesso que a foto está meio amarelada pelo horário em que fotografei, e a fidelidade da cor não está 100%, mas o esmalte é bonito.

Só bonito, mesmo, porque ele não secou de um dia pro outro, acordei com marcas de lençol nas unhas. Não era aguado, pelo contrário, bem pigmentado, mas com uma fórmula um tanto quanto grossinha. Ao longo do dia achei que as unhas foram perdendo o brilho e no fim das contas o resultado não me impressionou muito.

Três experiências seguidas com resultados mais ou menos de marcas nacionais… mas acredito que a culpa foi minha mesma. Os esmaltes seguintes eu já esmaltei em casa e vocês verão nos próximos posts um acabamento melhorzinho e umas fotos decentes, hahah.

Dos três o meu favorito pelo conjunto da obra foi o Colorama: melhor aplicação e cor clássica que não tem erro. Pela cor eu gostei do Impala, apesar de na verdade ele ser quase preto e não tão berinjela quanto eu gostaria. O qdb? eu dispenso, resta saber se foi pela minha falta de noção em destruir minhas cutículas/unhas ou porque a cor não me aquece o coraçãozinho mesmo, ahhaah.

Mas a lição que fica é: uma semana é suficiente para destruir o resultado de anos de cuidados cuticulares. Porém três dias fazem tudo voltar aos eixos, só não esnobar a hidratação. (não que eu siga meus próprios conselhos atualmente, mas enfim, aheuah)

Tô enjoada de só usar cor normal e cremosa, alguém me ajuda a arrumar meus esmalteeeeees (sim, ainda em caixas, mesmo 6+ meses após a mudança).