Comparação: Capuccino X Bali

28 de September, 2009 in Comparação, Risqué by Bianca de Neve

Parodiando a Mônica, do 9ml, ao invés de usar o termo swatch, vou usar demonstração, no caso, mais adequado ainda seria comparação. Até porque eu nem sei de onde tiraram essa expressão e demorei um certo tempo pra entender o que era. E como nem todas as meninas que visitam o blog são flickrmaníacas e esmaltólatras algumas poderiam não entender logo de cara e ficar boiando como eu fiquei no início do ápice do meu vício.

Enfim, a Mandynha pediu para eu fazer uma comparação entre o Capuccino, da coleção Arábica, recém lançada e do Bali que voltou com tudo porque a moda agora é nude.

Eu, particularmente, pessoalmente e, talvez, ignorantemente, não gosto de tons nude. Na verdade descobri há pouco tempo que nude é mais um conceito do que uma cor específica. Seria como usar um batom da cor da sua pele, as unhas, do tom da sua mão. Pra mim, se é pra parecer que tá sem nada, é mais fácil usar nada. Mas essa sou eu :D.

De qualquer maneira, o Bali foi lançado na coleção Outono/Inverno 2008, junto com o Viena e mais alguns outros. Eu tenho esse esmalte há muito tempo, e pra mim ele era um rosinha morto (santa ignorância). Mas agora ele é nude, como o Capuccino é. Desde o início eu achei o Capuccino cor-de-dedo nude e nem ia comprá-lo, mas acabei comprando só para satisfazer a amiga e o namorado e completar a coleção ^^. Já alerto que é difícil achar ele para vender agora, visto que ele era de uma edição limitada.

Comprei o meu com o tal liquidizinho amarelado/azulado em cima, acho tão divertido quando acontece aquilo com o esmalte! Foi só chacoalhar ele e usar a primeira vez que aquilo desapareceu, hoje em dia ele é um esmalte “normal”. Eis a diferença entre um e outro:


Uma mão de cada

Eu não estava errada ao dizer que o Capuccino era feio. Ao menos pro meu tom de pele, talvez se eu fosse mais branca ou mais morena ficasse melhor. Realmente, bem sem gracinha. O Capuccino é mais grosso que o Bali, então ele cobre bem mais com uma mão só.


Agora com duas mãos

Algumas meninas ainda irão preferir passar 3 mãos do Bali, mas para mim ele fica bom com 2 mãozinhas só.
Meu voto vai para o Bali, e vocês? Entre os dois, preferem qual?

E aqui minhas unhas como estão agora, até que ficou interessante, hahaha. Quem sabe eu não deixo assim por mais um dia? hahaha

Ah, por favor, ignorem a tosqueira em volta da unha, foi só pra mostrar no blog, mesmo.
E o post sobre o rosinha que estou usando sai amanhã, voltem para dar uma olhada ;).

Inveja Boa – Risqué

15 de September, 2009 in Produtos Nacionais, Risqué by Bianca de Neve

Hoje foi meu dia de azar.

Resolvi tirar o restante de Pink Fluor das minhas unhas (que comentei no post passado) e pintar todas as unhas de vez de Inveja Boa, da coleção 7 vermelhos da Risqué.

Achei a cor bem bonita, é um vermelho que às vezes puxa pro rosa, não sei como explicar, mas é bem bonito.

Estava tudo muito perfeito até eu resolver passar a cobertura intensificadora da Avon, popularmente conhecida como roxinho da Avon.

Passei e o pincelzinho ficou manchado de vermelho! Não sei como, porque o esmalte já estava seco. Depois de fazer muita meleca eu bato com o dedão na porta! Que raiva! Olha o estrago que fiz na unha recém pintadinha:

Depois ainda vi que a maldita cobertura realmente sumiu com as bolinhas que aparecem às vezes enquanto o esmalte seca, mas cria as suas próprias, que são diferentes, menores e em maior quantidade.

Ainda bem que nem tinha me esmerado para limpar cantinhos e tudo mais, porque me deu muita raiva ver isso. Deve ser praga dos vermelhos, só porque eu vivo desdenhando deles, dizendo que todos são iguais, hahaha.

Já aconteceu de vocês passarem o roxinho da Avon e eles darem mais bolinhas do que já tinha?
Bom, pelo menos são bolinhas com brilho, HAHAHA.

Hoje resolvi sair assim

14 de September, 2009 in Nail Art, Produtos Nacionais, Risqué by Bianca de Neve

Com dois dedos de cada mão pintados de Inveja Boa, da Risqué, e o resto de Pink Fluor, também da Risqué.

Como já disse anteriormente, eu tiro o esmalte descascando, mas como as outras unhas pintadas com Pink Fluor estavam perfeitinhas, resolvi deixar elas e tacar o Inveja Boa nas que ficaram sem esmalte.

Nem dá pra notar muito a diferença, porque os dois ficam muito parecidos em ambientes com luz artificial.

E vocês? Já pintaram cada unha de uma cor? Uma mão diferente da outra? Me contem! 😀

Pink Fluor e Roxinho da Avon

11 de September, 2009 in Produtos Nacionais, Risqué by Bianca de Neve

Esse Pink Fluor já faz algum tempinho que eu tenho. Lembro que quando vi na prateleira pensei “que lindiiiinho! e ooolhaaa, tem brilhinhozinhos metáááálicosss”. E meu “cônjuge” que adora um cintilante/brilhinho/etc falou na hora para eu levar.

Trouxe pra casa, mas nunca usei. Daí que esses tempos comprei o Rosa Pitanga porque também achei ele lindo de morrer. Inclusive na mão de outras meninas. E achei que ambos eram parecidos e com igual nível de belezura. É, de fato eles são parecidos. No nome. E nos brilhinhos metálicos. Porque a cor não tem nada a ver e eu achei que ficou ridícula na minha mão.

Enquanto o Pink Fluor é um rosa metálico puxado pro laranja/vermelho, o Rosa Pitanga é puxado pro… rosa! É uma cor digníssima que, aparentemente, combina com o tom de pele de todo mundo. Não foi o que achei do Pink Fluor. Talvez seja birra minha que só andava usando esmalte escuro ou rosa puxando pro roxo, sei lá.

E como pintei as unhas enquanto jogava Dekaron Pirata (heaiuoehsaoiu), tomei o mínimo de cuidado possível e pintei super às pressas (é, eu pinto as unhas em frente ao computador). Sem falar da janela aberta e do ventilador pertinho de mim. Resumindo: lotou de bolinhas em quase todas as unhas. E fui dormir feliz e contente.

Acordei sem conseguir olhar pra minha mão. Primeiro porque as unhas estão curtas, segundo porque esse esmalte é meio além do que eu esperava e terceiro porque tinha textura de bolinhas nas unhas.

Ao chegar da aula taquei o tal roxinho da Avon que todo mundo elogia e eu nunca experimentei. Não é que as bolotas sumiram? Nas fotos abaixo as unhas ainda estava melecadinhas da cobertura brilhante e secagem rápida para esmaltes da linha nail experts.

Com flash


Sem flash

Sinceramente não gostei dessa cor nas minhas mãos. Já não acho elas bonitas, com esse esmalte parece que elas envelheceram uns 10 anos.

E vocês? Gostam do Pink Fluor?
Até agora esse foi o único rosa que não gostei.

Tirando o esmalte sem acetona

9 de September, 2009 in 5Cinco, Produtos Nacionais, Removedor de Esmalte, Risqué, Tratamento by Bianca de Neve

Quando postei essa foto no Flickr, fiquei impressionada com a quantidade de pessoas que fazem o mesmo que eu:

Acetona é pra losers!
Descascam o esmalte ao invés de tirar com acetona.

Eu sei que isso não é bom pra unha, estraga, descama e etc, mas eu simplesmente não resisto! Se minha unha lasca um pouquinho e eu estou no ócio (leia-se: assistindo aula de Latim ou Literatura Alexandrina) começo a arrancar o esmalte com as unhas até ficar o mínimo possível (leia-se: o que não consigo tirar, que gruda de qualquer jeito).

Tudo bem que e horrível pra unha, ela fica esbranquiçada e levanta uma camada bem fininha (que não é só a base antes do esmalte), realmente não recomendo, mas economiza tanta acetona (haha creuza) e eu odeio ficar esfregando e manchando os dedos pra tirar esmalte. Isso, definitivamente é o que mais detesto em pintar as unhas.
Sem falar que unhas pela metade ficam horríveis, mas se você estiver num daqueles dias “foda-se, a vida é minha”, não pega nada, HEIOAHEAOI.
De qualquer maneira, se for pra descascar o esmalte, descasque por completo, nada de sair na rua com metade da unha sem esmalte.

O grande problema é quando os dedos mancham bastante e as unhas ficam levemente “coloridas” com a cor do esmalte usado em questão, sem falar nos cantinhos irritantes. Sério, odeio muito isso, por isso sou adepta do “descascamento”. É mais por praticidade, mesmo.

Claro que não sai completamente o esmalte e eu sempre acabo precisando da ajuda da acetona. Com um algodãozinho relativamente grande consegui tirar todo o esmalte de uma mão e os cantinhos que apareceram na foto acima.


Eu sou super econômica, hahaha.

E a acetona que eu uso acaba deixando as unhas com uma ótima aparência. É da 5cinco, uma empresa paranaense que recentemente começou a lançar esmaltes. Da acetona não posso reclamar, espero que os esmaltes sejam tão bons quanto ela :D.

Outro “segredo” pra não detonar tanto as unhas é usar o Risqué Technology Night Repair. Nunca achei que ele resolvesse alguma coisa, pra mim parecia mais um óleo secante fedido e melado que demora pra secar. Fiz a experiência hoje: arranquei o esmalte de todas as unhas da mão esquerda e tirei com acetona da mão direita. As unhas “esquerdas” ficaram opacas e com manchinhas brancas. Tasquei o Night Repair em cima e esqueci dele (afinal, demora pra secar). Mais tarde, reparei que as unhas “esquerdas” estavam com a mesma aparência que as unhas “direitas”.

Recomendo, mesmo que você não vá usar à noite ou com “tempo livre” para esperar secar. Até porque geralmente eu passo o NR, espero um pouquinho (não mais que trinta minutos, e ele demora mais ou menos isso pra “sumir”) e já passo uma base e o esmalte. Não posso reclamar que minhas unhas quebram ou descamam :). E mesmo que elas descamassem/quebrassem, a culpa seria exclusivamente minha, hahaha.