O que aprendemos sobre a tal da validade?

2 de August, 2011 em Geral by Bianca de Neve

Tivemos mais de 300 comentários no post sobre a validade dos esmaltes e, apesar de ter falado um pouco sobre o PAO, eu gerei mais dúvidas na cabeça da galera do que ajudei a resolver alguma coisa, heuaheau.

Diferentes validades

Sorte que temos leitoras lindas e inteligentes que, além de darem suas opiniões, também compartilharam um pouquinho do conhecimento delas com a gente.

Como eu sou boazinha e sei que tem muita gente preguiçosa, resolvi tirar dos comentários o que saiu de mais importante. Felizmente a Hannah Ralha respondeu de uma vez todas as dúvidas que surgiram no meio do caminho. O comentário dela foi o mais completo, segue abaixo, na íntegra.

Bom, leio o LPE todos os dias mas nunca comentei.
Resolvi escrever aqui hoje por ser um assunto da minha área. Sou farmacêutica e trabalho numa indústria de cosmético justamente com produtos que são comercializados aqui no Brasil e exportados para EUA e Europa. Vi que uma farmacêutica já respondeu, mas resolvi responder tb.

A Anvisa não tem muito conhecimento sobre cosméticos, e por isso acaba sendo tão exigente com eles quanto é com medicamentos. Nesse ponto as agências reguladoras lá de fora são bem mais atualizadas. Na empresa que trabalho temos diversos produtos que aqui no Brasil têm validade de 3 anos (período máximo aceitado pela Anvisa) mas que lá fora tem um PAO gigaaaante! O MESMO PRODUTO!

Fora que esmalte é um produto classificado como grau 1 aqui no Brasil e portanto, não temos que apresentar documentação para a Anvisa sobre aquele produto. Apenas notificá-la de que está havendo aquela produção! Claro que por motivos de qualidade, as boas empresas mantém arquivos internos sobre os produtos.

Outro ponto é o crescimento de microganismos. O esmalte é um produto com quase 0% de água em sua composição e isso faz com que os microrganismos não cresçam nesse ambiente. Portanto, no quesito contaminação microbiana, os esmaltes estão livres.

Agora, porque o esmalte decanta? (alguém lembra do meu Dourado Metálico decantado?)
Ele decanta porque as ligações químicas entre os solventes que o compõe se desfizeram. Seja pelo calor, seja pela incidência de luz, ou seja pelo tempo! Os solventes não são totalmente solúveis um no outro e isso faz com que eles se separem.
A questão da mudança de cor, é mais ou menos a mesma coisa. Naquelas condições, de temperatura, luminosidade, ou a fórmula do produto o esmalte mudou de cor…
Por quê? Bom, porque ele não é estável ali.
Por exemplo, a OPI diz que um esmalte é pra sempre, mas ele é pra sempre nas condições de temperatura de Europa e EUA. Nós aqui temos uma temperatura média muito mais alta! É normal acontecer isso!!

Agora o problema principal… Pode usar esmalte vencido? PODE! Desde que ele tenha mantido as condições normais dele (cor, odor, viscosidade…). Um acetato/óleo de banana, pode colocar sim se ele tiver engrossado, porque essa é a primeira coisa que evapora num esmalte e nós só estamos repondo algo que já existia.
Mas se a cor mudou, ou tá uma meleca transparente colorida (que não se desfaz) não é muito bom usar porque aconteceram alterações químicas ali que nunca foram estudadas em contato com a pele humana.
(…)
Sobre onde jogar esmalte fora, nunca joguem em água corrente. Ali tem muitos corantes e solventes orgânicos que podem contaminar a água. O ideal seria jogar num papel, esperar secar e enviar para incineração em um lugar adequado. Mas como isso é impossível para nós mortais, a solução é jogar num papel, esperar secar e jogar no lixo RECICLADO. Nas cooperativas de reciclagem eles têm como incinerar isso de maneira correta.
E a acetona que foi usada para limpar o vidrinho? Deixa evaporar! Eu jogo num papel absorvente (higiênico, guardanapo… algo assim) e deixo evaporar, depois jogo o papel fora. Isso serve também para os algodões que usamos para tirar o esmalte. Não os joguem ainda molhados no vaso sanitário!!

Ainda grifei em negrito e sublinhado para ninguém vir com “mimimi, texto muito longo”. Quando a informação é relevante, acho que não custa nada perder um tempinho lendo. Até porque você não está perdendo nada, mas adquirindo conhecimento. (AHAHA me senti A inteligentona)

A Hannah ainda deixou disponível o endereço do Flickr dela. Quem tiver mais dúvidas, é só mandar um FM que ela responde feliz e contente, heauheau.
Aqui: http://www.flickr.com/photos/10675082@N00/

Complemento dizendo que a maioria das pessoas disse que continuaria usando numa boa os esmaltes vencidos, desde que eles não apresentem odor e consistência esquisitos. Algumas poucas ainda preferem seguir a data de validade. Eu não acho que exista um certo e um errado pra isso, cada um faz o que acha certo, mas nunca na vida que eu jogo meu DS Glamour ou meu Show fora enquanto eles não estiverem podres.
Sem falar que estamos falando apenas e exclusivamente de esmaltes, não de outros cosméticos ou remédios. REPITO: Use por sua conta e risco, ninguém aqui está recomendando o uso de esmaltes vencidos (ainda mais se você tiver pele sensível ou outros problemas), apenas esclarecendo.

E você? Joga fora o esmalte assim que passou da data de validade impressa ou joga fora quando realmente não dá mais pra usar?

APRENDA A FAZER SUAS UNHAS EM CASA SEM USAR ALICATE!