Déjà Vu: Indigo, Eyeko

26 de March, 2011 em Geral by Bianca de Neve

Prometo que paro com meus posts de déjà vu, já cansei de ver esmalte velho por aqui, hasuiehaiu.

Bom, o Indigo é lindo, todo mundo sabe, mas ele é um azul escurão, o que já é meio comum por agora. Para as que estão chegando agora a esse “mundinho” talvez não faça sentido ele ser tão querido por tanta gente, já que temos milhões de opções. De qualquer maneira, o Indigo é um dos meus queridinhos da Eyeko.

Ah, as unhas curtas são porque eu “descasquei” uma delas enquanto cozinhava. A partir desse acontecimento vocês podem ver que minhas habilidades culinárias são quase nulas, não consigo preparar um prato sem ficar checando se a receita está certa, hahaha.

Bom, aí que eu não morri de amores pelo Indigo que nem da primeira vez, tava até meio enjoada dele. Nem sei se tinha a ver com as unhas curtas, mas a preguiça de trocar era imensa.

Fui dar uma ajeitada na bagunça e, pra variar, acabei me distraindo no meio dos esmaltes. Vocês conseguem só arrumar os esmalte de vocês? Sem ficar olhando eles, abrindo, cheirando (?), checando validade, sacudindo… sei lá, eu preciso passar um tempo com eles às vezes. Lógico que ao fazer isso a vontade de trocar de esmalte é absurda. Me controlei e decidi passar algo por cima do Indigo.

E passei um dos meus presentes de aniversário (desse ano). Ganhei o Rainbow da Fernanda, e pra quem não reconheceu o frasquinho, a marca é a GlossyBlossom, mesma daquele esmalte laranja que ela usou.

Ele é bem parecido com aquele La Pensée que a Fernanda usou no aniversário dela, mas a base é transparente. Tem glitters normais e hexagonais (também chamado glitter chunky), ambos holográficos. A aplicação é fácil, o único problema é que ele fica fosco (!). Não sei explicar direito, mas a base incolor dele é meio sem brilho. Precisei passar top coat (dessa vez não usei o Seche haaha) pra deixar ele brilhosinho, mas eu passaria de qualquer jeito, senão, acho que o glitter chunky cairia facinho.

Acabei ficando uns vários dias com essa combinação, não só pela preguiça, mas porque machuquei o cantinho da unha – não me perguntem como – e não quis usar acetona para evitar o contato com a área machucada e, provavelmente, o ardor. Aliás, o maior motivo de eu nunca ter tirado as cutículas é porque tinha medo de me machucar e ficar com elas ardendo.

Sou muito mimizinha, fala sério.