Enlouquecendo a Leitora – Dirce

30 de August, 2011 em Geral by Loucas Por Esmalte

Para comemorar o 10º Enlouquecendo a Leitora, resolvi fazer um pouco diferente. Eu costumo convidar pessoas com quem eu tenho contato frequente e, geralmente, elas têm a minha idade. Dessa vez resolvi convidar a Dirce, a mesma que foi sorteada na nossa pesquisa (ela ganhou a coleção Espelho, Espelho Meu, da Colorama).

Convidei depois de ler a sugestão dela: “Gosto de ler o Enlouquecendo a Leitora, mas gostaria de uns depoimentos de senhoras da terceira idade também.
Quem melhor do que ela mesma pra estrelar o quadro? Eu não conheço ninguém dessa faixa etária que goste muuuito de esmalte e que ainda acompanhe o blog. Achei muito divertido ver que o colorido dos esmaltes não é mais visto como algo “infantil” e mulheres de todas as idades têm aproveitado essa oportunidade de dar uma colorida na própria vida.

Que cada vez mais pessoas ousem nas cores, enquanto isso, vamos ler o EaL da Dirce!

Meu nome é Dirce Prandini, tenho 74 anos, sou aposentada e dona de casa, gosto de ler jornais e revistas, de hidroginástica, de costurar, dos meus bichinhos (um cachorro, uma cachorra e uma gatinha), revistinhas de palavras cruzadas,  ler na internet, em especial o  Loucas por Esmalte, que eu tenho bom gosto.

Gosto muito dos meus vizinhos, pois vivo no mesmo lugar há mais de 50 anos, então tenho verdadeiros irmãos e irmãs no lugar de vizinhos e gosto de cuidar de mim, pois é um momento só meu comigo mesma. Quando eu era moça cheguei a fazer um curso de cabeleireira, então sempre pinto meus próprios cabelos, faço minhas próprias escovinhas e quando minha filha já era moça fizemos um curso rápido de maquiagem. Sempre fiz minha própria manicure e pedicure. Minha atual paixão é o blog das Loucas por Esmalte, pois as meninas são muito divertidas, trazem informações interessantes e enchem meus olhos com cores lindas.

– Desde quando você é uma “Louca Por Esmalte”?
Creio que sempre fui louca por esmaltes, justamente porque venho de uma época muito rígida cujas cores possíveis eram somente rosinhas, um coralzinho claro e vermelho, mas este último geralmente permitido somente em festas noturnas e para mulheres mais maduras.
Quando moça eu trabalhava de segunda a sábado e ainda fazia horas extras aos domingos e entregava o dinheiro todinho para minha mãe, então meus momentos de lazer eram somente no domingo à tarde quando eu lavava e engomava minhas roupas, aquelas saias enormes, com montes de anáguas por baixo e então eu cuidava das unhas das mãos e dos pés.
Tive uma vida bem complicada no que se refere a saúde, pois tive câncer, perdi um rim, depois perdi meu intestino por uma doença chamada Mega-Colon, antes disso fiquei colostomizada por mais de 01 ano, perdi meu útero, minha tiróide, e por duas vezes fiquei pesando somente 29 quilos, devido não poder comer quase nada sem passar muito mal, mas mesmo assim sempre quando me sentia melhor, corria cuidar das unhas, pois é o momento que esqueço tudo e ponho cor em mim.
O momento da manicure para mim é uma terapia e é como eu tivesse 10 telinhas em branco (às vezes 20 quando faço os pés também) todas as semanas, me esperando para me expressar.
Hoje em dia com tantas cores, tantas coberturas, tantas texturas, fico um tempão fazendo testes antes de me decidir qual combinação irei passar e esse ritual todo é uma delícia.
Como disse anteriormente, venho de uma época muito rígida e bem chata e eu queria ir além dos rosinhas permitidos, então um dia pintei minhas unhas de coral e fiz bolinhas brancas e rosinhas com a ajuda de um palitinho. Fui então em uma papelaria e a mulher que me atendeu olhou bem feio para mim e perguntou: “Você é louca?” E para todo mundo que mostrei me olhavam como se eu devesse estar no manicômio. Lembro que tirei tudo tão tristinha, pois eu havia gostado do resultado.

“Bolinhas unidas, jamais serão vencidas” Dirce e sua filha se vingando dos tempos opressivos em que bolinhas não eram permitidas nas unhas.

– Quantos esmaltes você tem?
Ai, que vergonha! Na realidade eu tenho uns 20, contanto as bases e extra-brilhos, mas minha filha é uma louca por esmalte há cerca de 01 ano e ela fala para eu ajudá-la a gastar os esmaltes dela. Embora os esmaltes sejam baratinhos, sou aposentada do INSS e dai vocês já sabem que não dá para sair comprando tudo que é esmalte e muito menos os importados. Conheci o Loucas Por Esmalte por meio da minha filha e ela adora Konad, então viciei nos carimbinhos também. O engraçado que tenho duas vizinhas que são manicures e elas vêm elogiar as minhas unhas e as da minha filha, e desconhecem a maioria das novidades do mundo esmaltístico, como craquelados, carimbos, flocados, holográficos, etc. Ainda sobre os carimbinhos, quando vou à padaria, mercado ou lojas, as meninas dos caixas ficam doida com a manicure feita com carimbinhos e uma chama a outra e ficam perguntando como é que consigo fazer aquilo. O mais engraçado é que me dão bronca se apareço lá somente com as unhas pintadas, sem nenhum carimbinho.

– Qual o seu esmalte mais velho? Você usa esmalte vencido?
Ai, gente! Mês passado joguei fora um esmalte Ti-Ti-Ti ainda da vez que passou a primeira versão da novela. Nem me pergunte a cor, pois ele nem cor tinha mais, era só uma coisa melada e que estava cheirando muito mal e o rótulo estava todinho em branco (rssss); o coitado estava perdido no fundo da caixa há décadas. Porém se o esmalte estiver com bom aspecto e bom cheiro eu uso vencido sim.

– Você costuma tirar as cutículas? Quais são seus cuidados com as unhas?
Eu faço semanalmente, geralmente aos sábados. Tiro as cutículas sim, porém depois que inventaram esses Mira Cuticles maravilhosos, as cutículas já não crescem tanto. Minha filha fica me cobrando passar creminhos nas cutículas todos os dias para mantê-las hidratadas, mas confesso que é um hábito que ainda não aderi diariamente. Descobri as botinhas com creminho pelo blog e confesso qure adoro, pois tenho pés extras-secos e as botinhas são umas maravilhas. Agora para mim o que merece o troféu invenção do século, são os tais roxinhos, pois antes deles as unhas estragavam tudo já no segundo dia quando eu precisava fazer algum serviço doméstico, porém com eles a manicure passa a semana bonitinha e com isso minhas unhas fortaleceram, creio eu porque não fico toda hora usando acetona. Outra coisa importante que aprendi com o blog é só esmaltar depois da base. Eu não costumava usar base e minhas unhas eram todas amareladas, mas com vocês só aprendo coisas boas. (nhóim, que linda ♥)

– Quais cores, acabamentos e marcas são seus preferidos?
Gosto muito dos flocados, adorei os holográficos da Rivka, gosto de glitter, usei muito aquelas estrelinhas de decoração, mas enjoei, sou doida por carimbinhos e minhas cores favoritas são lilás, roxos, rosas, nudes, cinza, azuis e verdinhos. Gosto também dos metálicos: dourado, prata e cobre. Das marcas adoro as do lado B: Ellen Gold, Lorena, Lorrac e Top Beauty, são bons, baratos e têm cores lindas! Gosto também de Hits, Dote, Passe Nati, Colorama e Impala. Adoraria experimentar um Fina Flor, mas não encontro nenhum em São Paulo.

– Qual foi a maior extravagância que já fez relacionada a esmaltes?
Já tentei fazer as unhas marmorizadas. Tentei inúmeras vezes, mas não consegui, e acabei com três esmaltes tentando. (rsssssssss). Mas ainda acho a maior extravagância é ter usado Konad de oncinha com base dourada. Fez o maior sucesso, mas nunca teria me imaginado usando esmalte dourado um dia.

– Se suas unhas pudessem ser naturalmente da cor de um esmalte, qual seria?
Creio que verde água, pois é minha cor favorita para tudo.

– O que nunca usaria nas unhas?
Fimos, pedrinhas, piercing. Me incomoda qualquer coisa em relevo.

– Com tantos anos de “experiência esmaltística”, qual foi a moda nas unhas que mais lhe agradou e a que você mais detestou?
A que mais detestei foi dos meus tempos de mocidade, que só tinha três cores e as unhas só podiam ser no estilo estileto e tinham que ser compridas. A que mais gosto são todas as de agora, onde tudo é permitido, todas as cores, todos os comprimentos, todos os formatos de unha, mas confesso que uma coisa que existe agora e que não gosto é essa moda de estampar fotos nas unhas.

O que me faz gostar ainda mais do mundo esmaltístico é que as meninas (e alguns meninos) que gostam da esmalterapia também gostam de animais e seja nos blogs nacionais ou internacionais quase todos tem um apelo de ajuda e respeito aos animais. Procuro me informar sobre produtos que fazem testes com animais e me manter bem longe deles. De todos os blogs sobre esmaltes, o único que leio diariamente é o Loucas por Esmalte, porque as meninas escrevem de maneira divertida e são bem sinceras nos seus pareceres, além de ser bem democrático na escolha das cores, marcas de esmaltes e com fotos muito bonitas.

Adorei a participação da Dirce! Esse EaL me deu saudades das minhas avós, vou correndo ligar pra elas e na próxima visita, vou tentar convencer a avó materna a usar um esmalte azul, afinal, holográfico eu já consegui 😛

Obrigada pela participação Dirce, adorei saber um pouco mais sobre o que era moda antigamente.