Coleção L’amour – Risqué

6 de October, 2011 em Risqué by Bianca de Neve

Mais um post de coleção antiga. \o/
Percebam a originalidade dos tempos antigos com todas essas variações de vermelho. É muita criatividade, quase supera os últimos lançamentos.

A coleção L’amour foi lançada em um época que ninguém prestava atenção nas temáticas das coleções de esmaltes, heauhuea. Começou a ser vendida em 2007 usando um tema brega só para ter desculpa para lançar mais esmalte vermelho no mercado.

São 5 cores com nomes “românticos” e foi dessa coleção que saiu o tão famoso esmalte Beijo (que eu comprei só pra ter a coleção inteira pra postar). Todas elas entraram para a cartela de cores permanente da Risqué, então não será difícil encontrar por aí.

Viram como a COLOR effect tem cara de coisa velha? A tampa original dessa coleção do post é da mesma cor da CE, mas só tenho dois esmaltes com a tampa douradinha.

Pra ficar menos chato (pra mim), fui usando as cores, então não estranhem se as unhas estiverem em comprimentos diferentes.

Esmaltação gringa só no indicador (ou: fiz caca com o palitinho)

Affair – bordô avermelhado com shimmer roxo, duas camadas. Yes, o que a Risqué chama de metálico é o shimmer das gringas. Preciso falar que fazia tempo que não usava um esmalte da Risqué… e que brilho! Antes do blog esse era um dos meus favoritos da marca. Em luz branca (ou em dia nublado, como da foto), o esmalte fica assim, mas o tom dele também varia para o bordô, dependendo da iluminação do ambiente. Esmalte mutante, haha.
Tirei no dia seguinte, porque enjoei rápido. O que dá quase na mesma que pintar, tirar a foto e passar outro. Sou burra, eu sei. E esse aí venceu em Janeiro desse ano, mas está em perfeito estado.

Beijo – vermelho aberto, 2 camadas. Se tem uma coisa que a Risqué sabe fazer, é esmalte vermelho. Aliás, a empresa que não conseguir fazer um esmalte vermelho pigmentado e com brilho, pode sair do mercado, porque dá na mesma que uma professora de matématica que não sabe a fórmula de Bhaskara (oi, eu fui no Google pra lembrar).
Enfim. Nem gosto muito desse tom de vermelho, mas a fórmula desse esmalte tá linda. Como eu falei ali em cima, comprei ele só pra fazer o post, vence só em Fevereiro de 2013 e é uma pena eu não gostar de vermelho, vai pra caixa de abandonados, heauheau.

Love – vermelho fechado, 2 camadas. Essa minha foto ficou bem ruim, acho que o esmalte ainda é mais escuro que isso. Ele não é tão bom quanto o Beijo, mancha, demora mais pra secar (será que é porque venceu em Julho?) e não cobre o branquinho da unha direito. Com uma camada ele parece o Beijo, só que bem mais aguado.
Não durou muito, quando acordei o esmalte estava com nail art de lençol, e as pontinhas já gastas (!), virando lascas.

Poema – 2 camadas. É um esmalte vinho com um leve toque rosado. Vou ser sincera, essa foto não está fiel. Ele é super escuro e a câmera não pegou nem o tom rosado dele nem o tom certo. Saco, viu?
Mas a aplicação foi ótima. Dá gosto de usar os esmaltes da Risqué de antigamente, a maioria deles tem qualidade muito melhor do que os atuais. E esse venceu em Abril desse ano :P

Serenata – 2 camadas mais uma de top coat porque deu bolinhas. Perceberam a maior diferença desse esmalte para os outros? O nome da coleção no frasco – L’amour.
Esse esmalte venceu em fevereiro do ano passado e eu me pergunto porque ainda não havia usado. Vindo de uma pessoa que não gosta de vermelho, dizer que um desses vermelhos é REALMENTE bonito, é uma dica pra dar atenção a ele se encontrar em alguma perfumaria por aí.
Ele tem um shimmer dourado que deixa a cor com profundidade… na foto não está tão evidente nas unhas, mas observem o frasquinho. Há vários “pontinhos” brilhantes, é o brilhinho que aparece na unha.

Com exceção do Beijo, que foi comprado recentemente e já está com a bundinha branca, os esmaltes estão vencidos. E estão melhores do que alguns outros mais novos que tenho.

O que me leva a pensar que:
a) as empresas estão cagando para os consumidores;
b) as empresas estão lançando tanta coisa que não conseguem assegurar a qualidade dos produtos;
c) as empresas estão cagando para os consumidores E estão lançando tanta coisa que não conseguem assegurar a qualidade dos produtos;

Risqué e Impala, vocês ficaram “famosas” por serem as pioneiras, mas para se manterem no topo precisam assegurar a qualidade que fez com que o público confiasse em vocês.
E Colorama, cria vergonha na cara porque o posto de mais boring do Brasil vai ser seu se continuar só lançando esmalte cremoso.

Eu prefiro mil vezes as temáticas e cores das novas coleções, mas a qualidade dos produtos antigos ainda é melhor (a Colorama ainda se salva nesse quesito). As empresas não deveriam estar investindo em melhorias?