Como armazenar e prolongar a vida útil dos esmaltes

12 de June, 2020 em Geral, Utilidade Pública by Camila

AVISO: se você tem menos de 100 esmaltes, esse post não é para você.

Brinks, gente. Mas vamos entrar aqui no consenso que pra gente considerar que alguém tem muitos esmaltes, tem que ser pelo menos uns cem, vai haha

Nesses mais de dez anos de blog (pois é) e gostando de esmaltes há muito tempo a ponto de ter uma coleção considerável, é super comum ser questionada sobre a durabilidade dos esmaltes. Não nas unhas, mas sim, nas prateleiras. “Eles não estragam? Não resseca? Não fica duro?

                                                 Algumas alterações comuns em esmaltes

Como todo produto cosmético que existe, esmalte tem sim uma durabilidade, um tempo de vida útil, digamos assim. Mas geralmente aquela data de validade impressa nos rótulos não condiz muito com a realidade. Aqui no blog já postamos dezenas de esmaltes vencidos que ainda estão ótimos, assim como já mostramos esmaltes que mudaram totalmente a cara e estragaram mesmo dentro do prazo. Os problemas mais comuns são o ressecamento e a mudança de cor. Os pigmentos infelizmente não são eternos.

Por isso, temos algumas dicas de como prolongar a vida útil dos esmaltes e como recuperar alguns casos quando você acha que já está tudo perdido.

  1. Dê preferência para guardar seus vidrinhos em pé. Em outra posição eles podem vazar ou evaporar mais facilmente.
  2. Esmalte tem que ficar longe de grandes alterações de temperatura e longe da luz e da umidade. A luz direta e forte pode fazer os pigmentos se alterarem antes da hora. Guardar esmalte no banheiro ou na geladeira também não rola.
  3. Feche bem a tampa! Várias vezes eu já fiz meleca em casa por conta de esmalte com a tampa mal fechada. Rosquear direitinho evita que o esmalte evapore rápido. É importante limpar bem a boca do vidrinho porque aquele esmalte acumulado seco vai fazer com que a tampa não vede direito ou que você só consiga abrir o vidro com o dente depois (não recomendo haha).

Aqui na foto abaixo, uma amostra de uma das gavetas da minha cômoda de esmalte:

Antes eu organizava tudo super direitinho, hoje eu tento deixar separado por marcas e coleções dentro das marcas. Mesmo assim ainda é difícil deixar tudo bonitinho, já que a gente tá sempre mexendo neles, tira e põe da gaveta o tempo todo. No entanto, o importante é que aqui eles estão em pé, protegidos da umidade, da luz e do calor.

E o que fazer quando já deu ruim?

  • Se o vidrinho estiver ruim de abrir porque o esmalte da boquinha secou: tenta colocar um elástico em volta da tampa do esmalte. Aquele de dinheiro mesmo, sabe? A borracha vai dar mais estabilidade e firmeza (alô, Risqué, estou falando com você) para abrir a tampa. Aqui eu mostro em vídeo essa dica. Se não der certo, tente aquecer a tampa em água morna. Mas só molhe a tampa, pois ela dilata com o calor e facilita a abertura.
  • Se o esmalte está muito duro e ressecado, dá pra recuperar com diluente de esmalte, que é um produto específico para isso. Tem gente que usa acetona e eu não recomendo. Por mais que pareça funcionar na hora, a tendência é que a fórmula do esmalte piore depois. A lógica do uso do diluente, é que ele repõe o produto que evaporou do esmalte e deixou ele ressecado. Também dá pra usar óleo de banana, pois alguns deles tem esse componente na composição, que ajuda a recuperar.
  • Bom, mesmo se o vidrinho tá em pé bonitinho e guardado há muito tempo, é normal que alguns componentes se separem deixando aquela “aguinha” na parte de cima do esmalte como aparece na primeira foto. Caso isso aconteça, o esmalte não estragou. Normalmente é só dar aquela sacudida caprichada para fortalecer o bíceps e pronto. Só não esqueça de verificar se a tampa está bem fechada e segurar bem o esmalte para ele não ir parar no teto. Mas só faça isso se não for usar o esmalte logo em seguida, senão vai ficar cheio de bolinha na unha. Antes de usar o esmalte, no máximo role ele nas mãos devagar, ou sobre uma superfície, como mostro abaixo. Assim, você mistura os componentes sem deixar o esmalte com bolinha na unha.

  • E se o esmalte mudou de cor? Daí a gente só lamenta, mesmo. Aqui na foto abaixo eu tenho três Essies que comprei na mesma época, há quase dez anos. Da esquerda pra direita é o Watermelon, Mesmerize e Bermuda Shorts. O Bermuda é o único que mudou de cor, ele deu uma leve desbotada e ficou apenas um rosa neon, sendo que ele tinha uma pegada levemente arroxeada lindíssima. Na primeira foto do post mostro o Azulle da Ludurana, que era um azul arroxeado incrível e ficou lilás morto. Um minuto de silêncio 🙁

É importante não inventar demais e colocar cravo, alho, cola instantânea em esmaltes. Tem gente que coloca isso achando que vai fortalecer as unhas, mas isso só ajuda a cagar estragar o esmalte, além de ser perigoso.

Outra coisa é que dentro ou fora do prazo, se o esmalte apresentar odor muito diferente do normal, uma cor esquisita ou qualquer outra alteração esquisita, tome cuidado. Melhor descartar o produto e usar um novo. Pra finalizar, atenção a quem tem mais sensibilidade a produtos químicos em geral. Se for usar esmalte vencido, tome ainda mais cuidado.

E uma dica geral: não compre muito esmalte, para dar tempo de usar todos antes que eles estraguem (pena que essa é a única dica que não consigo seguir à risca).

APRENDA A FAZER SUAS UNHAS EM CASA SEM USAR ALICATE!